Então vamos lá, você é um idiota. Cara, como você consegue ser tão idiota? Como cabe tamanha estupidez em uma pessoa só? Você veio ao mundo e só porque estava com o nariz vermelho, quis ser um palhaço. E também é estupido. Pode parecer que idiota e estupido são as mesmas coisas, mas você consegue separar e superar o significado dessas palavras. E também, você não sabe ver as horas. Porque quem sabe ver as horas não deixa ninguém esperando duas horas e meia, antes de chegar com a cara mais lavada do mundo, e dizer que não viu o relógio. E falando em cara lavada, não existe no mundo um ser mais descarado como você, fala besteiras na maior altura, como se todos ao redor estivessem de platéia, tentando entender suas piadas sem graças. Graça, algo que precisa ser apresentado à você com urgência. Mas eu rio das suas piadas, e me odeio por isso as vezes. A normalidade entra na linha do não-existe com você, e as vezes, a educação também. Não adianta escrever os nossos nomes com o dedo no céu, pelo amor, quem inventou isso? E por que você faz? Qual o sentido? E não, as estrelas cadentes não são cometas, não são! Pare de me desiludir. E você é um especialista em destruir sonhos. Cara, custava deixar eu acreditar que eu poderia ser astronauta? Tinha que me dizer todas as teorias de conspiração de que o homem nunca foi na lua e blá… não precisava! E essa mania de me encarar? Fica aonde? E ainda pergunta o porquê de eu virar o rosto, desviar o olhar e ficar vermelho. Você já se encarou com essa mesma expressão no espelho? Já viu a cara de maniaco estripador que tu fica? Não, essa cara não é sexy, guarde bem isso, assusta, é feia, e cá entre nós, é mais engraçada que suas piadas, mas sexy não. E não discuta comigo, babar não é sexy! Quando nesse mundo alguém disse que babar enquanto dorme é sexy? De que universo veio isso? E barba, essa porcaria de barba mal feita não deveria ficar bem em você, porque você fica mais homem, porém com jeito de criança. Daquelas crianças birrentas ainda, que você diz não, elas sorriem e fazem. Queria eu poder é te dar um puxão nessas orelhas de abanar fogo, porque, não tem cabimento, só não é maior que esse nariz, que você deveria considerar a hipótese de cirurgia. Tudo bem, não são tão grandes assim, e eu gosto. Mas seu pé! A há! Seu pé! E que pé. Calça quanto? Quarenta e nove? Cinquenta? E ainda pisa no meu pé e acha que não dói… experimenta um pisão seu pra ver! Mas uma coisa supera tudo: quanto mau gosto! Mau gosto pra se vestir, mau gosto pra falar essas frases cuspidas de qualquer linguajar maroto que não me interessam nem um pouco saber de que buraco saiu. Mau gosto pra comida, me obriga a comer essa pizza de cinco queijos, que você consegue ver o óleo em cima, avisando que você vai engordar pelo menos uns três quilos só de sentir aquele cheiro. Mau gosto pra filmes, onde você ainda não entendeu que eu odeio zumbis? E que eu odeio armas, guerras, caras mascarados esfaqueando todo mundo e filmes de humor que eu fico mais assustado com sua risada no meio do nada que achando graça daquilo. Mas o seu pior mau gosto, sem duvidas, foi eu. Não tinha pessoa no mundo melhor? Eu não gosto de nada, por achar que nada gosta de mim, eu odeio noventa e nove por cento das coisas existentes no mundo. E você está em grande parte desses noventa e nove por cento, mas de alguma forma, consegue tomar só pra você o um por cento inteiro de que eu não odeio. Consegue me fazer te perdoar essas manias irritantes e essa carência de cão sem dono. Consegue ser meloso a ponto de me fazer querer te afastar com chutes, mas me dá espaço quando eu não consigo olhar pra sua cara. E você volta, como você consegue voltar depois de tanta burrada? Eu te xingo do caralho a quatro, digo que te odeio e choro, cara, eu te odeio! Eu choro por sua culpa, choro de raiva, porque eu não consigo ficar com raiva. Choro que nem criança e te mando embora, mesmo você sendo a única pessoa que consegue me fazer parar de chorar. E você sabe disso, porque você não vai. E, de tudo, eu odeio mostrar meu lado bom pra alguém. Odeio deixar que me vejam vulnerável, mas você me obriga a contar as histórias mais tristes e sentidas da minha vida, só pra depois de rir, e me fazer rir, dizer que isso não vai acontecer daqui pra frente. Daqui aonde, para ser exato? Praticamente estamos caminhando no vácuo, para uma direção que você inventa e diz ser a certa. Eu nunca precisei de ninguém, meu coração e um freezer, desses bem vagabundos de boteco, eram quase a mesma coisa. Não ligava pra amor, não dava a minima para as pessoas que iam embora. E eu conto as horas, sim, eu conto até os minutos quando você liga falando que está vindo. E a porcaria do tempo para nessas porcarias de vezes que você liga. E nada sai do jeito que eu quero. Penso um filme antes de você chegar, me faço prometer a mim mesmo que eu não vou te dar tanta corda, que não vou te dar atenção, que vou te dar aquela ignorada bem caprichada, pra você ver que meu mundo não gira em torno dos seus olhos de criança quando vê algum doce. E se dá certo? Claro. Que não. Você faz a porcaria da minha vida querer você em cada cantinho dela, pra bagunçar cada prateleira que eu arrumei com tanto cuidado. Aliás, eu tomei cuidado em cada detalhe para não chegar nesse exato momento, onde eu vou ficar aqui pensando em cada detalhe seu só pra passar o tempo, fazendo uma coisa que, de uma hora pra outra, se tornou rotina: pensar em você. Cair por você. Morrer por você. E justo eu que sempre achei que não morreria por ninguém, estou sendo a pessoa que atira e corre pra pular na frente e te salvar. Hipocrisia, não é? Pois é. E agora eu me pergunto: eu me arrependo? E te odeio um pouco mais por causa dessa resposta. Não, eu não me arrependo. E sim, minha vida depois de você não se compara com aquele inferno de cidades de metais e pedras, que eu vagava todos os dias, tentando fugir da nostalgia do azul-claro do meu quarto. E você me faz isso, me faz admitir coisas que eu morreria negando. Gostar de você é uma delas. E não, eu não vou dizer que te amo tão cedo. Mesmo entregando todos os meus segredos de bandeja. Esse você não me arranca fácil. Mesmo que seja uma tortura imaginar esse sorriso ao ouvir tamanha babaquice. Porque você costuma rir de coisas babacas e idiotas, por isso é assim, mas… pois é. Você é um idiota por completo. Eu odeio idiotas. Mas eu não consigo odiar você, nem um pouquinho, e isso me mata. Você me mata. Mas eu já disse que por você, eu morreria. E feliz. Eu morreria feliz.

A culpa é mesmo das estrelas?  (via alentador)

Não sou egoísta. Apenas valorizo a única pessoa do mundo em quem eu posso confiar: eu mesma.

Gossip Girl. 

70% do seu corpo é água. Então aproveita que você tá bem molhadinha e tenha mais tesão na vida.

Tati Bernardi   
(via desafixei)

Hoje é sábado, talvez chova, talvez eu chore. Talvez você venha. Tudo é incerteza, tudo é talvez, tudo pode ser - o que é bom nunca acontece.

Caio Augusto Leite.  

Mas, eu quero você. Quero você do meu lado pra me dizer que vai ficar tudo bem, pra vencer todos esses dias difíceis comigo, quero sentir teu abraço, teu cheiro, suas mãos entrelaçadas nas minhas, sentir teu corpo, ouvir sua voz de perto, olhar teus olhos, sentir teu beijo. Quero mostrar que todo meu amor não passa de meras palavras, e sim, que é de verdade. Eu faria de tudo pra poder estar com você.

2.359,9 km, longe de você. Requiz (via thiagopolycarpo)

Tudo bem, passarinho. Às vezes é preciso mesmo ir embora, ou nunca ter pousado para respirar. Eu te entendo agora. Entendo que você se debate contra as normas e não inspira esperança todos os dias. Entendo que teu peito está seco e sua voz não ecoa como devia, que os dias podem pesar e seus sentimentos podem não entender os meus. Tudo bem. Eu digo que vai passar, que todas as coisas passam e que nada dura para sempre ou arde para sempre ou queima para sempre. Eu espero que você compreenda todo o amor que eu roubei do mundo e de todo resto para dar à sua vida, aos seus traumas e à sua dor. Todo o amor que eu inalei este tempo todo e só saltei na sua narina, no seu rosto calmo e nos seus pés ainda bambos. Espero que entenda que eu te dei um amor puro de toda violência, de todo estupro e de todo carma. E que ele era bom, era tranquilo, era inteiramente completamente e absurdamente teu. Tudo bem, passarinho. Hoje assimilo que a melhor forma de obter, é deixar ir. Uma vez te disse que quem deixa ir tem pra sempre. Então eu te deixo. Vai sua vida, pássaro contente. Vai sua vida que eu estarei contigo.

Floresinexatas.

Eu tive amigos de verdade e de mentira. Cada um deles teve de mim o que mereceu.

Catharine.  (via desafixei)

Talvez ninguém tenha te avisado ainda, então desculpa se eu vou te dar essa notícia sem te preparar antes: a porra do mundo não gira em torno do seu umbigo. Ficou chocado? Acontece.

Tati Bernardi  (via conspirada)

Só confessamos fraquezas para quem nos fortalece.

Carpinejar.  

Eu torço pra não fazer Sol, eu torço pra não chover, eu torço para acordar no meio do dia, eu torço para o dia acabar logo. Eu torço para ter alguma coisa que me faça torcer, que me diga que eu ainda sei torcer por algo mesmo sem torcer pela gente. Minha dança é queda equilibrada, minhas roupas novas são fantasias, meu sorriso é espasmo de dor, minha caminhada reta é um círculo que sempre me traz até aqui, meu sono é cansaço de realidade, minha maquiagem é exagerada, meu silêncio é o grito mais alto que alguém já deu, minhas noites são clarões horríveis que me arregaçam o peito e nada pode me embalar e aquecer, o frio é interno, o incômodo é interno, nenhum lugar do mundo me conforta. Minha fome é sobrevivência, minha vontade é mecânica, minha beleza é esforço, meu brilho é choro, meus dias são pontes para os dias de verdade que virão quando essa dor acabar, meus segundos são sentidos em milésimos de segundos, o tempo simplesmente não passa.

Tati Bernardi. 

Escrevi linhas e mais linhas. Guardei tudo em um rascunho pessoal, me libertei das palavras e sentimentos, e nem assim te tirei de dentro mim.

Diário de um Adotado. 

Ser feliz é uma responsabilidade muito grande. Pouca gente tem coragem.

Clarice Lispector.     (via vivianlakepower)
Que bela merda você se tornou hein.